A Autarquia  
 Inf. Económico-financeira
 Recursos Humanos
 Pessoal/concursos
 O Concelho  
 Eventos  
 Eventos passados
Enviar a um(a) amigo(a)Enviar por e-mail      ImprimirImprimir

Góis



Património Cultural

 

IgrejaMatrizdeGóisIgreja Matriz e Túmulo de D. Luís da Silveira Ver vídeo

Edifício de arquitetura religiosa, localizado no extremo sul da vila, classificado como Monumento Nacional, desde 1910. Templo dedicado a Santa Maria Maior, padroeira da freguesia de Góis, cuja construção corresponde a diferentes momentos, nomeadamente aos séculos XV, XVI e XIX. De planta longitudinal composta por nave, capela-mor, duas capelas laterais (do lado esquerdo temos a Capela de S. José; do lado direito a Capela das Almas), sacristia e antiga tumulosacristia.

No interior, destaca-se, entre outras obras de arte de grande relevância, o imponente túmulo de D. Luís da Silveira. Esta obra atribui-se a Diogo de Castilho e Diogo de Torralva. A torre sineira da igreja, de planta quadrada, encontra-se à esquerda do templo, separada do seu corpo principal.

 

CapeladoMartirS.SebastiãoPonte Real e Capela do Mártir S. Sebastião

A Ponte Real da vila de Góis foi mandada edificar por D. João III em 1533, como atesta o alvará editado pelo monarca a 20 de abril desse ano. À entrada da ponte, na base do morro do Castelo, levanta-se a Capela do Mártir S. Sebastião, do séc. XVIII, vincada de cantarias nas esquinas, entablamento e fogaréus, pequeno campanário à direita, portal armado, cúpula com fecho de pedra.

O conjunto é classificado como IIP – Imóvel de Interesse Público.          

     

CapeladoCasteloCapela do Castelo

Ermida a Nossa Senhora da Assunção construída no século XVI, por vontade de D. Luís da Silveira, 17º Senhor de Góis e 1º Conde de Sortelha. De estilo manuelino, a capela sofreu, no entanto, uma série de transformações aquando da sua recuperação, na primeira metade de novecentos. Assume posição de destaque do alto do morro do Castelo, de onde pode apreciar-se bela vista sobre a Vila de Góis e as montanhas que a rodeiam. No seu interior, encontra-se a imagem de Nossa Senhora de Fátima, que é usada todos os anos na Procissão das Velas, que se realiza nos dias 1 e 31 de maio: no dia 1 a imagem é transportada até à Igreja Matriz, no dia 31 a imagem regressa ao local de origem.

Curiosidade:

Diz-se que a Capela foi construída com os antigos materiais de uma fortaleza que ali existiu.

 

TectosdosPaçosdoConcelhoPaços do Concelho (antiga Casa da Quinta)

Edifício classificado como Imóvel de Interesse Público. É uma das casas nobres edificadas na vila beirã durante o século XVII. A casa pertenceu à família Barreto Chichorro, uma das mais importantes da Vila de Góis no século XVII, instituidora de uma capela na Igreja Matriz, onde estão sepultados alguns dos seus membros. No interior, destacam-se as decorações das aberturas do alçado principal e os quatro notáveis tetos de masseira, com caixotões pintados, provavelmente, na mesma época da construção, de autor desconhecido. O edifício seiscentista tem adossadas, de ambos os lados, duas construções recentes, sem valor arquitetónico.

  

LargoFIDN"Largo Francisco Inácio Dias Nogueira" (antigo Largo do Pombal) 

Nos finais da Monarquia e inícios da I República, destaca-se a figura de Francisco Inácio Dias Nogueira, como político e empresário.

Funda a Companhia de Papel de Góis, consolidando a indústria de papel, então já existente, e instala a Central Hidroelétrica de Monte Redondo, obra arrojada para a época, que permitiu à vila de Góis ter sido uma das terras pioneiras a ter iluminação elétrica pública, ainda antes da cidade-mãe Coimbra.

Curiosidade:

O seu busto, erguido por iniciativa popular e por subscrição pública, aliás o único da vila de Góis, encontra-se no centro do largo que tem o seu nome.


IhrejadaMisericórdiaIgreja da Misericórdia

Igreja de planta longitudinal composta por nave única e capela-mor semicircular. No alçado lateral direito tem adossadas a Casa do Despacho e a sacristia. De construção quinhentista, mas profundamente alterada por vários restauros no século XIX, apresenta tipologia original adulterada.

Segundo documentos da época, o processo para a construção da Misericórdia de Góis foi iniciado em 1596 e, com o contributo e ajuda do povo, é criada em 1598. Segundo o Arquivo Histórico de Góis, a construção original sofreu alterações, no entanto, as datas e o tipo de modificações são difíceis de precisar.

Sabe-se que em 1867 se procedeu ao início das obras para lá se colocar o relógio, onde ainda hoje se encontra, obras essas que se prolongaram até 1887.

Hoje podemos encontrar, no Largo Francisco Inácio Dias Nogueira, um edifício do século XIX com uma tribuna lateral, cujas imagens são Santa Rita talhada em madeira, que remonta ao século XVI, e ainda Nossa Senhora da Conceição, do século XVIII.

 

FontedoPombalFonte do Pombal 

A construção atual, de meados do século XIX, encontra-se por cima do que resta da antiga fonte. Esta fonte de duas bicas é também denominada de Fonte do Jogo por nesse largo se ter jogado o Jogo da Bola.

Curiosidade:

Há quem diga que se estiverem a beber água, em cada uma das bicas, um homem e uma mulher, se estes olharem um para o outro ao mesmo tempo, ficam apaixonados para sempre.


CisternadoPombalCisterna do Pombal

Cisterna de planta quadrangular simples, com cobertura piramidal, apresentando abertura em arco com porta envidraçada. No interior, as paredes estão totalmente revestidas de azulejos hispano-árabes de aresta, policromos (verde, azul, amarelo e manganés), com cercadura e diferentes padrões de tema geométrico, destacando-se o círculo, a formar uma rosácea na parede do fundo.

Curiosidade:

No século XVI, Sevilha era o grande produtor de cerâmica e de lá vinham as grandes encomendas para o distrito de Coimbra.

 

CasadaminiaturistaCasa de Alice Sande

Neste local, conforme a documentação histórica e a recente pesquisa arqueológica, ter-se-á erguido, em tempos remotos, o primeiro paço dos senhores de Góis – os “Paços velhos”. A casa atual poderá manter alguns vestígios do antigo palácio, no entanto, à primeira vista, dessa construção, atualmente, pouco resta.

Hoje, a casa pertence à Câmara Municipal de Góis, por doação, em legado testamentário, da última proprietária, Alice Sande, pintora e miniaturista, com raízes familiares na terra, que passou parte da sua vida em Góis. O compromisso da Autarquia é abrir ao público a Casa-Museu Alice Sande.

Atualmente, está a decorrer o trabalho de inventário do espólio doado pela artista ao Município.

 

AntigoHospitalAntigo Hospital de Góis A

O antigo hospital de Góis situa-se em pleno centro histórico da Vila, voltado para a Praça da República. Contígua ao edifício do hospital encontra-se a antiga capela do Espírito Santo. A construção do conjunto edificado corresponde a uma vontade de D. Diogo da Silveira, 2º Conde de Sortelha e 18º Senhor de Góis, na segunda metade do século XVI. (…)

No ano de 2003, o Município de Góis adquire o conjunto edificado, antigos hospital e capela, com a intenção de aí instalar o futuro museu municipal, onde poderá expor as diversas colecções que possui, nomeadamente de ourivesaria, mobiliário, arte sacra e louça, na sua esmagadora maioria resultado de doações efetuadas ao Município. Nesse âmbito, destacam-se o Legado Dr. Alfredo Simões Travassos, o espólio legado pela Arq.ª Margarida Coelho, bem como as ofertas da Sr.ª Enf.ª Fátima Jesus Neves. Para a implementação do espaço museológico, o Município tem vindo a desenvolver uma intervenção prévia de carácter histórico e arqueológico, de modo a enriquecer o programa museológico e com vista à criação de projeto de arquitetura de recuperação e reabilitaçescavaçõesão do edificado.

Atualmente, verificamos que a descoberta de património arqueológico inédito na área correspondente à antiga claustra do hospital veio, inegavelmente, confirmar a importância do local e enriquecer o património cultural já existente.

O Município de Góis tem em preparação o projeto de recuperação e reabilitação do conjunto edificado, de modo a preservar o património arquitetónico, histórico e arqueológico existente e a receber, condignamente, as coleções dos bens que lhe foram legados.

 

CapeladeStAntónioCapela de Santo António

Situada junto ao Parque do Cerejal, a capela constitui um exemplo manuelino popular com o seu arco cruzeiro e esquina externa lavrada em corda. O pequeno retábulo deverá remontar à segunda metade do século XVIII.

Curiosidade:

O solo é revestido de tijolo e azulejo sevilhano do séc. XVI.

         

QuintadaCapelaSolar Beirão da Quinta da Capela

Situado fora de Góis, o solar, classificado como Imóvel de Interesse Público, era pertença dos Barreto Chichorro, uma das mais importantes famílias da Vila no século XVII. A designação pela qual a quinta é conhecida deve-se à existência de uma capela, que se encontra num plano mais elevado.

 

Hidroelectrica

Central hidroelétrica de Carcavelos

 

 

 

 

 

 

 

espmuseologicoesporãoNúcleo Museológico do Esporão

Na localidade de Esporão poderá visitar este simpático espaço museológico. Na sala principal, dedicada à terra, podem admirar-se peças ligadas ao quotidiano, bem como fotografias antigas e objetos de alguma raridade. Também pode visitar-se uma sala de exposições temporárias. 

 

 

 

 

 

 

Aldeias do Xisto

casadexistoPena - Ver vídeo

Aigra Nova

Aigra Velha - Ver vídeo

Comareira - Ver vídeo

As gentes destas povoações cultivam as terras, dedicam-se à criação de cabras e, em tempos passados, também à criação de bois. Viviam de uma agricultura de subsistência, cultivando principalmente milho, batatas e feijões. Os habitantes destas aldeias, por vezes, vinha a Góis a pé para fazer compras ou vender os produtos da sua horta, como o milho.

No verão, estas aldeias enchem-se de vida: os que delas saíram há muitos anos à procura de melhores condições de vida regressam agora para matar saudades...

 

Ver website: http://www.aldeiasdoxisto.pt


Património Natural

 

PraiafluvialdaPeneda

Praia Fluvial da Peneda Ver video

 

 

 

 

 

 

 

 

ParqueXicoCeras

Parque Xico Ceras

 

 

 

 

 

 

 

 

Jardimdocastelo

Jardim do Castelo

 

 

 

 

 

 

 

 

ParquedoCerejalParque de merendas do Cerejal

 

 

 

 

 

 

 

 

redenaturaREDE NATURA 2000